Pular para o conteúdo principal

Uma tarde no Museu de Arte Sacra de São Paulo

A Região da Luz, na Zona Norte de São Paulo, é cercada de museus: Língua Portuguesa, Pinacoteca do Estado de São Paulo e Museu de Arte Sacra de São Paulo.


Eu ainda não conhecia o último, que é patrimônio nacional tombado em 1979. Há um tempo vinha adiando a visita, mas finalmente conheci o acervo hoje.

O museu é um dos acervos mais completos dedicado à objetos religiosos, sobretudo de arte barroca, alguns deles de autoria atribuída à Aleijadinho, assim como quadros que remontam a história de personagens ligados às igrejas e catedrais, criados por artistas como Almeida Júnior e Anita Malfatti e objetos em outro e prata utilizados em cerimoniais religiosos. 














































Logo na entrada, nos deparamos com a sala Frei Galvão, em que ficam taipas de pilão e de mão, que foram utilizadas na construção do mosteiro. Frei Galvão deu início à construção do Mosteiro da Luz, onde se instalou o Museu de Arte Sacra.


As obras estão no andar de baixo do prédio, enquanto o andar superior é reservado às monjas enclausuradas. Segundo uma das monitoras, atualmente, 14 monjas permanecem em clausura.

Em todo o percurso onde estão expostas as obras, há janelas e portas que dão acesso ao lindo jardim que abriga uma fonte, onde podemos sentar para descansar depois ou durante a visita e é uma belíssima surpresa no mesmo ambiente de obras riquíssimas, localizada em local bastante movimentado da cidade.



Uma das salas está abrigando uma mini exposição de presépios de papel chamada "Presepi di Carta", de Celso Battistini Castro Rosa, em cartaz até 06/01. Os presépios são, em sua maioria, de origem alemã e representam detalhadamente o período natalino. Alguns são dobráveis e em relevo, semelhantes aos mais bonitos cartões de Natal.





Outra exposição temporária do museu é a "Capela da Nonna" de Cândido Portinari, em cartaz até 11/01. No lado externo do museu há uma sala em que foi recriada a capela que o pintor fez para sua avó, na cidade de Brodowski no interior de São Paulo. Portinari também era famoso por retratar a arte religiosa e a capela é composta de imagens de santos como São Francisco de Assis, São Pedro e a Sagrada Família. Parentes e amigos do pintor posaram para o artista retratar as figuras sagradas.



Um dos destaques do museu é o belíssimo presépio napolitano. A obra veio da Itália, data do século XVIII e foi montada por Silvio Galvão, que trabalhou no departamento de efeitos especiais da TV Cultura e criou o cenário do Castelo Rá-Tim-Bum. A sorte é que este trabalho primoroso está em cartaz por tempo indeterminado e compõe o acervo do museu que retrata a arte sagrada. 

Presépio Napolitano

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Londres em 5 músicas

Grandes capitais mundiais recebem homenagens em canções. Nova Iorque foi tema de inúmeras músicas, mas New York, New York, imortalizada na voz de Frank Sinatra, é a canção definitiva da Big Apple, cantada por nova-iorquinos e estrangeiros, inclusive na virada de ano na Times Square.  
Berço de vários artistas - do punk, do progressivo ou do eletrônico, capital mundial do pop - Londres também é homenageada em diversas músicas. Ao contrário de Nova Iorque, talvez, não tenha uma canção que a defina, que seja a mais famosa e que possa ter, ao menos, um verso cantado por qualquer pessoa mundo afora. E muitos artistas lendários do rock e do pop dedicaram um pedaço de suas obras à capital britânica ou, como diz o poeta, cidade que alguém só se cansa, quando está cansado da vida. 
Como relaciono música a vários momentos, coisas e pessoas, fiz uma lista com base em minha imagem sobre a cidade do meu coração ou a lembrança mais significativa que tenho dela ao escutar essas músicas.
The Clash – Lo…

Definitivamente talvez

O título do texto é o nome do álbum de estreia do Oasis, lançado há vinte anos, em agosto de 1994.

Vi o Oasis pela primeira vez no extinto programa da TV Gazeta, Clip Trip, ao qual assistia sempre para acompanhar os meus artistas favoritos.

Lembro do apresentador falando sobre o Oasis, antes de passar o vídeo de Supersonic, primeiro single do disco. Ele disse mais ou menos assim "esses caras estão fazendo barulho na Inglaterra e se dizem melhores que os Beatles. Sei não, vamos ver se é tudo isso e se o sucesso vai durar".

O comparativo com os Beatles era mais uma das polêmicas que os irmãos Noel e Liam Gallagher criaram e estenderam durante toda a carreira da banda. Na verdade, a influência mais clara e até o modo como se vestiam, remetia à banda de Liverpool. Mas jamais foram cópia dos Beatles, o que muitos odiadores costumam dizer. 

Aceitar isso é o mesmo que reduzir o talento do Oasis, um dos últimos representantes do rock, cingido em todo significado que a palavra expressa. …

Ah, o amado inverno! E homens: comprem ou tirem do armário os casacos e os cachecóis!

O inverno está aí desde o dia 21 de junho, mas deu as caras em São Paulo, de verdade, nas últimas duas semanas, com termômetros marcando a máxima entre 15 e 18 graus. 
São Paulo me agrada, pois o frio aparece nesse tempo, ao contrário de outras cidades do país, onde inexiste inverno, mas aqui é possível apreciar o vento, a temperatura baixa, as comidas e os doces que ficam mais saborosos nessa época, do que em qualquer outra. 
Além disso, podemos ficar mais estilosos. Botas, de cano curto ou longo, casacos de várias cores, cachecóis e echarpes de variadas estampas. 
Mulheres adoram se vestir assim, mas também há homens que abrem o guarda-roupa e ficam ainda mais charmosos com sobretudos e cachecóis. Vou fazer um pedido! Rapazes, não deixem de usar a dupla, casaco e cachecol em contados dias de junho/julho invernal. Eu, pelo menos, aprecio muito! Vocês ficam tão maravilhosos!
Certa vez, numa época dessas, estava com algumas colegas de trabalho saindo para o almoço e um homem super chique e…