Pular para o conteúdo principal

Discos perfeitos parte II

Mais uma lista de discos perfeitos para mim, com todas as faixas indispensáveis. Vou começar essa lista com a banda que terminou a primeira.

Dog Man Star - SuedeConsiderada a obra-prima do grupo e lançado há quase vinte anos (outubro de 1994), o segundo disco supera a ótima estreia com faixas mais experimentais, densas e com arranjos orquestrados. A complexidade do álbum não agradou muito o público e, talvez, tenha sido o motivo para o Suede não ter alcançado o mesmo patamar de sucesso de Oasis e Blur, duas bandas do movimento Britpop, que disputavam a coroa do rock britânico no início dos anos 90.

Dog Man Star não é considerado apenas o melhor do Suede, mas também um dos melhores álbuns da história e presença constante na lista dos "discos que devemos ouvir antes de morrer". As faixas mostram a ousadia da banda, com o vocalista Brett Anderson - um dos melhores cantores/frontman de sua geração - em perfeita execução vocal, alternando graves e agudos, algo que me agrada muito e nem todos conseguem fazer com maestria, o que torna cada canção singular e impossível de deixar de ser ouvida. Tudo isso em parceria com Bernard Butler (que saiu da banda antes do lançamento do disco) guitarrista que herdou o talento de Johnny Marr, dos Smiths, que é clara e maravilhosa influência do Suede, deixando músicas perfeitas que traduziam a solidão que nos assola mesmo na cidade grande, os encontros que não acontecem e a melhor balada do britpop e uma das músicas mais lindas da história: The Wild Ones, em que Anderson alcança falsetos perfeitos. Apesar de ter dito mais do que programava a respeito de um dos meus discos favoritos, recomendo a excelente resenha de Dog Man Star, feita pelo Scream and Yell Yell http://screamyell.com.br/site/2012/08/15/discografia-comentada-suede/
Ouviria mais de uma vez antes da próxima ou voltaria quando o disco terminasse: We are the Pigs; Heroin; The Wild Ones; New Generation; This Hollywood Life; The 2 of Us; Black or Blue, The Asphalt World e Still Life.  



Sex Pistols - Never Mind The Bolllocks. Obrigatório para quem curte punk rock ! Único disco da banda que revolucionou a cena inglesa em meados dos anos setenta. Sem mais digressões. 
Ouviria mais de uma vez antes da próxima ou voltaria quando o disco terminasse: Holidays in the sun; Bodies; No Feelings; Problems; God Save the Queen; Submission e Pretty Vacant.



Nevermind - Nirvana. Esse disco tem um significado muito especial, pois foi com ele que vivenciei uma revolução no rock, por conta da minha idade, claro. Não vi a explosão de Elvis, Beatles, Clash, Sex Pistols, mas vivenciei o estrago fantástico que o Nirvana causou com o seu segundo disco e me fez buscar e ouvir rock alternativo, mesmo que ele já tivesse surgido com Jesus and Mary Chain, R.E.M (está no meu top 3 de bandas favoritas) e Pixies, tanto que as duas últimas são declaradas influências do Nirvana. A abertura com Smells Like Teen Spirit é arrebatora e considero um dos inícios de discos mais bem escolhidos, além de a capa do álbum ser emblemática.
Ouviria mais de uma vez antes da próxima ou voltaria quando o disco terminasse: Come as you are; Breed; Lithium; Territorial Pissings; Drain You; Lounge Act; Stay Away.




Grace - Jeff Buckley. Único disco do talentosíssimo cantor e guitarrista, que faleceu antes do lançamento de sua obra-prima. Grace se tornou conhecido do público e aclamado pela crítica em 1994. Poesia e melodias perfeitas, com toda a sensibilidade e melancolia de Buckley, capaz de alcançar notas muito altas e alternar graves e agudos com perfeição. Aliás, em minha humilde opinião, superou o gigante Leonard Cohen, autor de Hallelujah, na interpretação dessa música, presente em Grace. A música de Leonard Cohen foi gravada por outros artistas, mas nenhum conseguiu alcançar a beleza da original, enquanto Buckley não apenas a alcançou, como superou o intérprete e autor da música. 
Ouviria mais de uma vez antes da próxima ou voltaria quando o disco terminasse: Mojo Pin; Grace; Last Goodbye; So Real; Hallelujah; Lover, You Should've Come Over e Dream Brother. 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Londres em 5 músicas

Grandes capitais mundiais recebem homenagens em canções. Nova Iorque foi tema de inúmeras músicas, mas New York, New York, imortalizada na voz de Frank Sinatra, é a canção definitiva da Big Apple, cantada por nova-iorquinos e estrangeiros, inclusive na virada de ano na Times Square.  
Berço de vários artistas - do punk, do progressivo ou do eletrônico, capital mundial do pop - Londres também é homenageada em diversas músicas. Ao contrário de Nova Iorque, talvez, não tenha uma canção que a defina, que seja a mais famosa e que possa ter, ao menos, um verso cantado por qualquer pessoa mundo afora. E muitos artistas lendários do rock e do pop dedicaram um pedaço de suas obras à capital britânica ou, como diz o poeta, cidade que alguém só se cansa, quando está cansado da vida. 
Como relaciono música a vários momentos, coisas e pessoas, fiz uma lista com base em minha imagem sobre a cidade do meu coração ou a lembrança mais significativa que tenho dela ao escutar essas músicas.
The Clash – Lo…

Definitivamente talvez

O título do texto é o nome do álbum de estreia do Oasis, lançado há vinte anos, em agosto de 1994.

Vi o Oasis pela primeira vez no extinto programa da TV Gazeta, Clip Trip, ao qual assistia sempre para acompanhar os meus artistas favoritos.

Lembro do apresentador falando sobre o Oasis, antes de passar o vídeo de Supersonic, primeiro single do disco. Ele disse mais ou menos assim "esses caras estão fazendo barulho na Inglaterra e se dizem melhores que os Beatles. Sei não, vamos ver se é tudo isso e se o sucesso vai durar".

O comparativo com os Beatles era mais uma das polêmicas que os irmãos Noel e Liam Gallagher criaram e estenderam durante toda a carreira da banda. Na verdade, a influência mais clara e até o modo como se vestiam, remetia à banda de Liverpool. Mas jamais foram cópia dos Beatles, o que muitos odiadores costumam dizer. 

Aceitar isso é o mesmo que reduzir o talento do Oasis, um dos últimos representantes do rock, cingido em todo significado que a palavra expressa. …

Ah, o amado inverno! E homens: comprem ou tirem do armário os casacos e os cachecóis!

O inverno está aí desde o dia 21 de junho, mas deu as caras em São Paulo, de verdade, nas últimas duas semanas, com termômetros marcando a máxima entre 15 e 18 graus. 
São Paulo me agrada, pois o frio aparece nesse tempo, ao contrário de outras cidades do país, onde inexiste inverno, mas aqui é possível apreciar o vento, a temperatura baixa, as comidas e os doces que ficam mais saborosos nessa época, do que em qualquer outra. 
Além disso, podemos ficar mais estilosos. Botas, de cano curto ou longo, casacos de várias cores, cachecóis e echarpes de variadas estampas. 
Mulheres adoram se vestir assim, mas também há homens que abrem o guarda-roupa e ficam ainda mais charmosos com sobretudos e cachecóis. Vou fazer um pedido! Rapazes, não deixem de usar a dupla, casaco e cachecol em contados dias de junho/julho invernal. Eu, pelo menos, aprecio muito! Vocês ficam tão maravilhosos!
Certa vez, numa época dessas, estava com algumas colegas de trabalho saindo para o almoço e um homem super chique e…