sábado, 23 de agosto de 2014

Definitivamente talvez

Meu Definitely Maybe, original em CD

O título do texto é o nome do álbum de estreia do Oasis, lançado há vinte anos, em agosto de 1994.

Vi o Oasis pela primeira vez no extinto programa da TV Gazeta, Clip Trip, ao qual assistia sempre para acompanhar os meus artistas favoritos.

Lembro do apresentador falando sobre o Oasis, antes de passar o vídeo de Supersonic, primeiro single do disco. Ele disse mais ou menos assim "esses caras estão fazendo barulho na Inglaterra e se dizem melhores que os Beatles. Sei não, vamos ver se é tudo isso e se o sucesso vai durar".

O comparativo com os Beatles era mais uma das polêmicas que os irmãos Noel e Liam Gallagher criaram e estenderam durante toda a carreira da banda. Na verdade, a influência mais clara e até o modo como se vestiam, remetia à banda de Liverpool. Mas jamais foram cópia dos Beatles, o que muitos odiadores costumam dizer. 

Aceitar isso é o mesmo que reduzir o talento do Oasis, um dos últimos representantes do rock, cingido em todo significado que a palavra expressa. Acreditar que estavam falando sério, é igualmente ser ingênuo, pois os próprios irmãos Gallagher são fãs incondicionais dos Fab Four, tanto que Noel declarou certa vez que Wonderwall (maior sucesso do Oasis, presente no segundo disco What´s the Story Morning Glory) estava entre as cinquenta melhores canções da história da música, enquanto as outras quarenta e nove eram dos Beatles.

Voltando a Definitely Maybe. O disco abre com Rock n´roll Star. Nada mais apropriado para os então garotos de Manchester dizerem oi ao mundo. A guitarra de Noel e a bateria acelerada ditam o ritmo para Liam cantar os versos abaixo e esticar o refrão com Toniiiiiiight, I´m rock n´ roll staaaaar.

I live my life in the city / Eu vivo minha vida na cidade
There's no easy way out / Não há saída fácil
The day's moving just too fast for me / Os dias estão passando muito rápido para mim
I need some time in the sunshine / Eu preciso de mais tempo na luz do sol...
Tonight, I'm a rock 'n' roll star / Esta noite, eu sou uma estrela do rock n´roll


Mas o cartão de visitas escolhido pela gravadora é Supersonic, sexta faixa do disco. A assertividade dos primeiros versos, mostra o Oasis chutando a porta e dizendo para que veio, e para ficar, além de deixar escapar o flerte com os Beatles em "You can sail with me in my yellow submarine".



I need to be myself / Eu preciso ser eu mesmo
I can't be no one else / Eu não posso ser mais ninguém
I'm feeling supersonic / Estou me sentindo supersônico
Give me gin and tonic / Dê-me "gin" e tônica
You can have it all / Você poder ter tudo isso
but how much do you want it? / Mas quanto você quer disso?
You make me laugh / Você me faz rir
Give me your autograph / Dê-me seu autógrafo
Can I ride with you in your BMW? / Posso andar com você em seu BMW
You can sail with me / Você pode navegar comigo
in my yellow submarine / Em meu submarino amarelo



Live Forever, uma das mais belas canções do Oasis, em que Noel prega que pretende viver e não morrer, foi uma das faixas escolhidas como música de trabalho. O clipe de Live Forever tem duas versões. Uma norte-americana - a minha preferida - com a banda numa espécie de escritório, com Liam sentado em uma cadeira interpretando a música, cercado de fotos de personalidades mortas, como John Lennon, Kurt Cobain, Jimi Hendrix e o lendário jogador de futebol inglês, Bobby Moore. Para quem tiver curiosidade, a versão britânica do vídeo mostra a banda cavando uma sepultura e "enterrando" o seu primeiro baterista, Tony McCarroll, que sairia da banda no ano seguinte ao lançamento do álbum.



Incorporando o espírito do Oasis, o disco traz ainda a etílica Cigarettes and Alcohol; a psicodélica Columbia; a balada e uma das minhas preferidas Slide Away, que emocionou órfãos do Oasis, como eu, em show solo de Noel Gallagher em São Paulo, em abril de 2012. 

No mesmo mês de agosto, só que em 2009, o Oasis anuncia o seu fim. A banda subiria ao palco do festival Rock en Seine, de Paris, mas Noel Gallagher declarou que estava saindo da banda, pouco tempo antes da apresentação. Pelo menos para mim, seria mais uma briga dos irmãos Gallagher e mais uma falta de respeito com fãs, por não respeitar o público que estava à espera do show. 

Para tristeza, não apenas dos fãs da banda, não foi mais uma divergência de família e o Oasis acabou ali, mas Definitely Maybe entrou para a história do rock como um excelente disco de estreia, que vendeu 18 milhões de cópias, tornando-se um dos símbolos do chamado Britpop, no ano em que o mundo perdeu Kurt Cobain e foi reapresentado ao colorido e à melodia pop, no lugar do peso e da melancolia do movimento grunge. 

terça-feira, 19 de agosto de 2014

Final de semana invernal em uma cidade perfeita para este clima

Passei esse final de semana em Campos do Jordão, lugar que não ia há pouco mais de três anos. Como amo inverno, não há melhor período para desfrutar Campos do que na própria estação mais fria. A temperatura, à noite, não passou de 13 graus. Poderia estar mais baixa do que isso, como estava há duas semanas segundo a meteorologia, mas o frio de menos 15 graus já vale. 

Foto: Virginia


Resumindo, clima maravilhoso, como está fazendo em São Paulo. Minha comemoração é pela simples razão que adoro o frio e uma temperatura dessas me agrada muito mais do que as temperaturas acima de 26 graus. E mesmo morando em um país onde praticamente não existe inverno, mas no Estado em que moro dá para ter um gostinho, não há nada melhor do que aproveitar esse tempo na cidade que é a cara dessa estação.

Foto: minha
Uma coisa que amo é andar por aí nesse frio. Gosto de caminhar e sair quando está muito frio. Mas me surpreendi comigo. Estava com duas amigas que fazem exercícios regularmente. Uma delas fez a meia maratona há duas semanas! Sou filha de um atleta e sei como esse povo tem de se exercitar sempre! Logo, elas iriam correr no domingo de manhã e eu tentei acompanhá-las. Pasmem! 

Corri devagar e caminhei quando estava cansada, pois não me exercito frequentemente. Já fiz natação por uns cinco anos, há tempos, e Pilates (amei) por três meses, mas parei. Não falo com orgulho, mas por ser verdade e não suporto aquelas pessoas que fingem se exercitar quando estão em grupo e mentem! Mas por saúde, preciso fazer algo! Não corri no mesmo ritmo delas, óbvio, mas senti orgulho de mim, ao tentar correr e caminhar por 40 minutos, e consegui. 

O melhor, numa temperatura de 15 graus! Gostei e lembrei quando ia pro Ibirapuera, nessa mesma época do ano, andar de bicicleta à noite, enquanto meu pai estava no treino da corrida, ou lembrar das caminhadas maravilhosas pelos parques de Londres. Inverno faz milagres e bem à minha saúde.

Voltando a Campos. A cidade é uma delícia, estava cheia, mas não tanto quanto estava quando fui em 2011. E faz um bem aos meus olhos, com as árvores e flores nas cores da foto acima! Além de corrida, comemos (massa e suflê de chocolate maravilhosos) e bebemos muito bem (vinho, principalmente), aproveitamos o frio para curtir a lareira e observar a natureza com os bichinhos que pousavam no jardim da casa em que estávamos. 

Foto: minha

O melhor de tudo é "limpar a mente" enquanto viajamos para qualquer lugar que nos agrada e nos faz bem, com pessoas que tornam as viagens ainda melhores.