Pular para o conteúdo principal

Uma manhã em Greenwich

Não podia deixar passar a oportunidade de conhecer um bairro bem diferente de tudo que já tinha visto em Londres e escolhi um dia para ir a Greenwich. A ideia que eu tinha era de que o bairro fosse distante do centro, quase fora da capital.

A primeira impressão se confirma e parece que estou em outra cidade, meio pacata e simpática, só que continuo em Londres, em um lugar cheio de histórias, onde viveu Henrique VIII e que proporciona vistas incríveis da cidade, buscadas, em vão, em Hampstead Heath, para onde fui após nove horas da noite de um domingo e não consegui alcançar o Parliament Hill - local que proporciona a melhor vista da cidade, dizem – o que me fez sair rapidamente do parque quase deserto ao anoitecer, ainda mais por estar na terra de Jack, o Estripador.

A chegada

Sou seduzida pelas casas e pelo comércio local pouco movimentado naquela manhã. Sigo em direção ao Greenwich Park e ao Observatório Real de Greenwich, onde está o Meridiano com o nome do bairro e que marca a hora mundial conhecido como Greenwich Mean Time (GMT). Adentro o parque, que já o sétimo que eu conheço em Londres. Uma das coisas que mais aprecio é a quantidade de verde por todos os lados, o que torna a vida mais calma e contemplativa numa metrópole com muitas coisas para fazer, mas que tem um parque único em cada canto, além de quase sempre estarem rodeados por outros locais imperdíveis.

 

O bairro
Caminhando pelo parque em direção ao Royal Observatory, a vista buscada vai tomando forma. Ao chegar ao topo, me deparo com um relógio que marca vinte e quatro horas, ao invés de doze, e vou direto para a Meridian Line, local que divide o mundo em Ocidente e Oriente e onde está escrito “stand with a foot in the East and the West”.

 

Greenwich Park

Royal Observatory lá no topo 

Greenwich Park

Vista de Londres do Greenwich Park. Uma das imagens mais belas que já vi na vida. Não por acaso, é a minha foto de capa no Facebook

O relógio que marca as vinte e quatro horas do dia. Adoro relógios, olhar as horas e queria um desses.
Existem coisas na vida que por mais clichês que sejam devem ser feitas. Então, procuro pelo Rio de Janeiro na linha do Ocidente, para depois colocar um pé de cada lado da linha e registrar esse momento. 

Brasil na linha do meridiano

Instruções

Um pé de cada lado
Ao sair do Royal Observatory, irei, finalmente, admirar a espetacular vista de Londres que tanto buscava. Dali vejo o seu ponto mais alto representado pelo The Shard, atualmente o prédio mais alto da cidade, encontro a Saint Paul´s Cathedral quase sumida entre as nuvens, a Greenwich Power Station, O2 Arena - onde pretendo assistir vários shows de rock - os imponentes prédios de Canary Wharf, que é o centro financeiro, o Royal Naval College, o icônico prédio The Gherkin e o rio dividindo essa paisagem do parque.

De tirar o fôlego! Os arranha céus, o verde, a catedral, o rio.

Prédios comerciais em Canary Wharf, um pedacinho do Tâmisa e Royal Naval College

Greenwich Power Station (prédio marrom com quatro torres) e, ao lado, Arena O2 (topo branco com lanças amarelas)
Ainda tenho o que fazer em Greenwich e passo pelo Cutty Sark, espécie de veleiro museu, visito o Discover Greenwich e estou próxima da beira do Tâmisa, onde fico ouvindo o barulho d’água batendo nas pedras, como se fosse numa areia de praia e penso o quão bom é ter um rio que integra a cidade e os seus moradores e que ainda propiciaria um passeio inesquecível que fiz logo depois.  


Royal Naval College

Cutty Sark

À beira do rio. Fiquei meia hora sentada ouvindo o barulhinho d´água e pensando sobre a maravilha que é poder navegar dentro da própria cidade 

 

Para deixar Greenwich, não há melhor transporte do que a travessia de barco. Vou para a parte superior, apesar do frio, para sentir o Tâmisa mais vivo e próximo de mim. A viagem é uma das melhores coisas que já fiz na vida. Apreciar a cidade sobre a água e sob as pontes, incluindo London e Tower Bridge, além de ficar cara a cara com os prédios de Canary Wharf e o HMS Belfast, navio da Marinha Real Britânica que participou da Segunda Guerra Mundial, para terminar no Westminster Pier, onde o London Eye de um lado e o Big Ben de outro me recebem. Tenho a certeza de que visitarei Greenwich mais vezes! 


Prédios de Canary Wharf

The Shard e navio HMS Belfast

Por debaixo da ponte

Ohhh Londres!

Chegando a Tower Bridge, mas ainda faltava tempo pro desembarque.
Próxima do desembarque no Westminster Pier...London Eye de um lado...



...Big Ben do outro, marcando o final de um dos passeios mais incríveis que já fiz na vida e que começou no lindo e querido bairro de Greenwich

Comentários

  1. O seu bairro que é lindo e vc uma querida! Como já falei, me apaixonei por Greenwich e quero visitá-lo mais vezes.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Londres em 5 músicas

Grandes capitais mundiais recebem homenagens em canções. Nova Iorque foi tema de inúmeras músicas, mas New York, New York, imortalizada na voz de Frank Sinatra, é a canção definitiva da Big Apple, cantada por nova-iorquinos e estrangeiros, inclusive na virada de ano na Times Square.  
Berço de vários artistas - do punk, do progressivo ou do eletrônico, capital mundial do pop - Londres também é homenageada em diversas músicas. Ao contrário de Nova Iorque, talvez, não tenha uma canção que a defina, que seja a mais famosa e que possa ter, ao menos, um verso cantado por qualquer pessoa mundo afora. E muitos artistas lendários do rock e do pop dedicaram um pedaço de suas obras à capital britânica ou, como diz o poeta, cidade que alguém só se cansa, quando está cansado da vida. 
Como relaciono música a vários momentos, coisas e pessoas, fiz uma lista com base em minha imagem sobre a cidade do meu coração ou a lembrança mais significativa que tenho dela ao escutar essas músicas.
The Clash – Lo…

Definitivamente talvez

O título do texto é o nome do álbum de estreia do Oasis, lançado há vinte anos, em agosto de 1994.

Vi o Oasis pela primeira vez no extinto programa da TV Gazeta, Clip Trip, ao qual assistia sempre para acompanhar os meus artistas favoritos.

Lembro do apresentador falando sobre o Oasis, antes de passar o vídeo de Supersonic, primeiro single do disco. Ele disse mais ou menos assim "esses caras estão fazendo barulho na Inglaterra e se dizem melhores que os Beatles. Sei não, vamos ver se é tudo isso e se o sucesso vai durar".

O comparativo com os Beatles era mais uma das polêmicas que os irmãos Noel e Liam Gallagher criaram e estenderam durante toda a carreira da banda. Na verdade, a influência mais clara e até o modo como se vestiam, remetia à banda de Liverpool. Mas jamais foram cópia dos Beatles, o que muitos odiadores costumam dizer. 

Aceitar isso é o mesmo que reduzir o talento do Oasis, um dos últimos representantes do rock, cingido em todo significado que a palavra expressa. …

Ah, o amado inverno! E homens: comprem ou tirem do armário os casacos e os cachecóis!

O inverno está aí desde o dia 21 de junho, mas deu as caras em São Paulo, de verdade, nas últimas duas semanas, com termômetros marcando a máxima entre 15 e 18 graus. 
São Paulo me agrada, pois o frio aparece nesse tempo, ao contrário de outras cidades do país, onde inexiste inverno, mas aqui é possível apreciar o vento, a temperatura baixa, as comidas e os doces que ficam mais saborosos nessa época, do que em qualquer outra. 
Além disso, podemos ficar mais estilosos. Botas, de cano curto ou longo, casacos de várias cores, cachecóis e echarpes de variadas estampas. 
Mulheres adoram se vestir assim, mas também há homens que abrem o guarda-roupa e ficam ainda mais charmosos com sobretudos e cachecóis. Vou fazer um pedido! Rapazes, não deixem de usar a dupla, casaco e cachecol em contados dias de junho/julho invernal. Eu, pelo menos, aprecio muito! Vocês ficam tão maravilhosos!
Certa vez, numa época dessas, estava com algumas colegas de trabalho saindo para o almoço e um homem super chique e…