Pular para o conteúdo principal
A minha Londres

Desde a adolescência, pensava em conhecer Londres. Queria fazer a faculdade de Jornalismo e depois partir para capital britânica para estudar inglês.

Quero conhecer o mundo e sempre viajei muito dentro do Brasil, graças ao meu pai, que nos levou a conhecer grande parte do país e dar gosto para irmos além. Acabei cursando Direito e não Jornalismo. Sei lá porque não segui para Londres mesmo assim. Decidi, então, que a cidade seria a minha primeira experiência no exterior. Essa paixão por Londres é tanto pelo fato de ser uma cidade multicultural, cosmopolita, um dos maiores e mais populosos centros urbanos mundiais, como também, a capital do país que gerou grandes nomes do rock e é considerada a capital mundial da música pop. Importa destacar que não só a capital inglesa, mas o país e o Reino Unido me encantam pela música que fizeram e ainda fazem.

Sim, eu amo música e associo as coisas que gosto aos lugares de onde elas vêm. Pode parecer estranho, mas tenho essa mania. Sinceramente não sei dizer se a paixão por Londres se deve a música que sempre fez parte da minha vida, desde quando meu pai colocava os discos dos Beatles para tocar, quando eu tinha cinco anos ou, às características acima. Até já me disseram que posso ter vivido lá, em outra vida, diante da imensa identificação, curiosidade e desejo de lá ficar. Isso acontece com muitas pessoas. Conheço gente que ama o Japão, a Itália, a Irlanda, sem nunca ter ido ou mesmo sem ter nenhuma ligação por ascendência, por exemplo, o que despertaria o interesse em conhecer a terra dos avós, dos pais etc.

Pode ser um pouco de tudo ou não ter explicação. Afinal, para quê definir algo que remete ao sentimento? Já que este não se define, não se limita, ao contrário, deve ser experimentado e sentido? What difference does it make(*).

No final de 2011 decidi que iria passar férias em Londres. Combinei com uma prima e agendamos a viagem para março de 2012. Pensava se poderia me decepcionar, já que me informei tanto sobre o lugar desde sempre, mas na realidade poderia ser diferente. Tinha lido sobre a fama mentirosa de que ingleses são frios e o clima é horrível quase todo tempo, o que poderia me fazer querer correr de lá.  

A paixão que sinto por Londres se concretizou e voltei com a sensação de que o meu coração lá ficou. É emocionante ficar cara a cara com prédios, monumentos, paisagens, clima e sons, com os quais sempre sonhamos e vimos apenas por fotos ou pela televisão.


Foto tirada em 19.05.2013. Tower Bridge vista da Queen´s Walk
A paixão e a identificação preexistentes fizeram com que eu voltasse a Londres no ano seguinte e só! Já tinha “conhecido” um pouco a cidade, me sentiria segura lá e não queria arriscar uma viagem sozinha ao exterior para uma cidade totalmente desconhecida. E voltar para Londres é a tarefa mais fácil do mundo, mesmo quando queremos conhecer outros lugares. Parti ! A experiência foi ainda mais incrível por desbravar a cidade sozinha e ter certeza de que Londres é perfeita para isso também. 

Li muito antes da viagem, sobretudo, a respeito de locais que ainda não conhecia. E uma fonte de inspiração, não só para a viagem, mas para a criação do radar e reflexo, foi o blog Básico e Necessário (http://miblogito.blogspot.com.br/), da Helô Righetto - brasileira designer e jornalista que mora em Londres - e mostra o seu olhar sobre a cidade e os londrinos, além de dicas incríveis de literatura, exposições e viagens para outros cantos do mundo. 

Tentamos nos encontrar lá, mas não deu certo! De qualquer forma, eu mandei um e-mail para a Helô, contando sobre como foram os meus dias em Londres. Não esperava que ela se interessasse em publicar a minha experiência no blog dela. Agradeço a ela, por ter compartilhado uma experiência relatada sem pretensão alguma e que era apenas uma conversa sobre uma estada em Londres. Esse ato edificante despertou o meu interesse em falar mais sobre essa experiência e outras que terei por aí. E já preciso voltar a Londres para conhecer a Helô pessoalmente e, quem sabe, virarmos vizinhas aí?

Ter relatado a viagem por e-mail, fez com que eu escolhesse falar mais sobre ela num trabalho da pós. Essa narrativa de Londres foi feita em tópicos e relata alguns lugares visitados em minha segunda passagem pela cidade dos meus sonhos. Sempre gostei de escrever e sempre o fiz como advogada, mas o interesse em escrever diversas histórias sobre as minhas paixões, seja música ou Londres etc., era trabalhada há algum tempo e alguns amigos diziam para eu criar um blog, mas a narrativa foi o pontapé para a criação do Radar e Reflexo.

Vou dividir aqui a narrativa “A minha Londres” que é o meu olhar de viajante sobre a cidade, portanto, sob meu ponto de vista e as minhas emoções, não sendo um guia de viagem ou nada parecido, até porque o blog não é destinado a esse fim. A narrativa corresponde à viagem realizada em maio de 2013 e é dividida em sete tópicos, que surgirão em meio a outros textos a serem publicados no blog.

* frase título da música dos Smiths, banda inglesa que não é de Londres, mas da roqueira Manchester, que ainda visitarei. 

Comentários

  1. ah re, que lindo! e sim sim, venha logo!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não vejo a hora de voltar e logo, claro! Pode esperar que eu irei!

      Excluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Londres em 5 músicas

Grandes capitais mundiais recebem homenagens em canções. Nova Iorque foi tema de inúmeras músicas, mas New York, New York, imortalizada na voz de Frank Sinatra, é a canção definitiva da Big Apple, cantada por nova-iorquinos e estrangeiros, inclusive na virada de ano na Times Square.  
Berço de vários artistas - do punk, do progressivo ou do eletrônico, capital mundial do pop - Londres também é homenageada em diversas músicas. Ao contrário de Nova Iorque, talvez, não tenha uma canção que a defina, que seja a mais famosa e que possa ter, ao menos, um verso cantado por qualquer pessoa mundo afora. E muitos artistas lendários do rock e do pop dedicaram um pedaço de suas obras à capital britânica ou, como diz o poeta, cidade que alguém só se cansa, quando está cansado da vida. 
Como relaciono música a vários momentos, coisas e pessoas, fiz uma lista com base em minha imagem sobre a cidade do meu coração ou a lembrança mais significativa que tenho dela ao escutar essas músicas.
The Clash – Lo…

Definitivamente talvez

O título do texto é o nome do álbum de estreia do Oasis, lançado há vinte anos, em agosto de 1994.

Vi o Oasis pela primeira vez no extinto programa da TV Gazeta, Clip Trip, ao qual assistia sempre para acompanhar os meus artistas favoritos.

Lembro do apresentador falando sobre o Oasis, antes de passar o vídeo de Supersonic, primeiro single do disco. Ele disse mais ou menos assim "esses caras estão fazendo barulho na Inglaterra e se dizem melhores que os Beatles. Sei não, vamos ver se é tudo isso e se o sucesso vai durar".

O comparativo com os Beatles era mais uma das polêmicas que os irmãos Noel e Liam Gallagher criaram e estenderam durante toda a carreira da banda. Na verdade, a influência mais clara e até o modo como se vestiam, remetia à banda de Liverpool. Mas jamais foram cópia dos Beatles, o que muitos odiadores costumam dizer. 

Aceitar isso é o mesmo que reduzir o talento do Oasis, um dos últimos representantes do rock, cingido em todo significado que a palavra expressa. …

Ah, o amado inverno! E homens: comprem ou tirem do armário os casacos e os cachecóis!

O inverno está aí desde o dia 21 de junho, mas deu as caras em São Paulo, de verdade, nas últimas duas semanas, com termômetros marcando a máxima entre 15 e 18 graus. 
São Paulo me agrada, pois o frio aparece nesse tempo, ao contrário de outras cidades do país, onde inexiste inverno, mas aqui é possível apreciar o vento, a temperatura baixa, as comidas e os doces que ficam mais saborosos nessa época, do que em qualquer outra. 
Além disso, podemos ficar mais estilosos. Botas, de cano curto ou longo, casacos de várias cores, cachecóis e echarpes de variadas estampas. 
Mulheres adoram se vestir assim, mas também há homens que abrem o guarda-roupa e ficam ainda mais charmosos com sobretudos e cachecóis. Vou fazer um pedido! Rapazes, não deixem de usar a dupla, casaco e cachecol em contados dias de junho/julho invernal. Eu, pelo menos, aprecio muito! Vocês ficam tão maravilhosos!
Certa vez, numa época dessas, estava com algumas colegas de trabalho saindo para o almoço e um homem super chique e…