Pular para o conteúdo principal
O coração de Londres

Trafalgar Square é passagem obrigatória para visitar marcos londrinos e é repleta de atrações, dentre elas a National Gallery. Poder se deparar com obras de Van Gogh, Monet, Boticelli, Da Vinci, de graça, num espaço que recebe cada visitante com lírios inebriantes na entrada, é umas das maiores riquezas que uma viagem pode nos oferecer.

National Gallery

Esculturas, chafariz, eu e National Gallery em Trafalgar Square
Como gosto muito de visitar igrejas, seja pela arquitetura, pela história, além de poder agradecer por estar em Londres novamente, a Saint Martin in the Fields é o lugar certo para isso em Trafalgar, onde ainda posso almoçar na cripta muito aconchegante e nada sombria, onde tomaria uma sopa de brócolis apimentada que foi a escolha certeira para o frio. 


Cripta da igreja, onde é servido almoço e café
Fachada da Igreja Saint Martin-in-the-fields

Uma das coisas que me chama a atenção é a quantidade de mendigos num estado de letargia nos bancos da igreja. Pessoas encolhidas, com semblantes cansados e jeitos simples que parecem se refugiar na igreja, longe do caos do dia a dia e das coisas boas que o mundo atual parece não lhes oferecer. Mesmo quase um século depois, os mendigos ainda vagam pela cidade e buscam refúgio na Saint-Martin-in-the-Fields, assim como faziam no início do século vinte, como retratou George Orwell na obra “Na pior em Paris e Londres”.


Interior da igreja

Altar da igreja



Um coral começa a ensaiar. Assisto e emendo com a missa em seguida, até para saber como é celebrada uma missa na igreja anglicana que está lotada. O padre fala basicamente da sociedade consumista e que deveríamos refletir sobre o hábito de comprar sem propósito, sobretudo, em tempos de crise. Algumas pessoas que ainda dormem talvez não tenham noção alguma do que seja consumir e fico refletindo também sobre isso.


Coral
Trafalgar ainda oferece caminho para o Palácio de Buckingham, pela The Mall, avenida de asfalto vermelho que vai beirando o parque de Saint James, mas sigo para o outro lado da praça em direção ao Big Ben e, quanto mais próxima, fico boquiaberta ao encontrar o relógio e as Casas do Parlamento iluminando a Ponte de Westminster, o Tâmisa e noto que todos em volta têm o mesmo êxtase. Não há como ficar incólume perante o relógio, mesmo que não seja a primeira vez que com ele me deparo, e vê-lo marcar mais de nove horas com a lua se destacando à sua volta na noite que está apenas começando, porque os dias são longos na primavera.
Considero a porta de entrada da The Mall. No sentido dos carros da foto está Trafalgar Square e à direita, o caminho para Buckingham Palace, beirando St. James Park 


St. James Park e The Mall
A residência mais famosa da tia Beth
Um pedacinho do St. James Park. Quem consegue achar a London Eye na foto?
Adicionar legenda


London Eye e Ponte de Westminster
Parlamento, Big Ben, lua e Ponte de Westminster
Fotos: arquivo pessoal. Embora não tenha ido no mesmo dia para o St. James Park e para o Big Ben, como narrado, as fotos do parque e do palácio de Buckingham não podiam ficar de fora, para se ter ideia da proximidade desses pontos marcantes de Londres e da beleza de todos eles.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Londres em 5 músicas

Grandes capitais mundiais recebem homenagens em canções. Nova Iorque foi tema de inúmeras músicas, mas New York, New York, imortalizada na voz de Frank Sinatra, é a canção definitiva da Big Apple, cantada por nova-iorquinos e estrangeiros, inclusive na virada de ano na Times Square.  
Berço de vários artistas - do punk, do progressivo ou do eletrônico, capital mundial do pop - Londres também é homenageada em diversas músicas. Ao contrário de Nova Iorque, talvez, não tenha uma canção que a defina, que seja a mais famosa e que possa ter, ao menos, um verso cantado por qualquer pessoa mundo afora. E muitos artistas lendários do rock e do pop dedicaram um pedaço de suas obras à capital britânica ou, como diz o poeta, cidade que alguém só se cansa, quando está cansado da vida. 
Como relaciono música a vários momentos, coisas e pessoas, fiz uma lista com base em minha imagem sobre a cidade do meu coração ou a lembrança mais significativa que tenho dela ao escutar essas músicas.
The Clash – Lo…

Definitivamente talvez

O título do texto é o nome do álbum de estreia do Oasis, lançado há vinte anos, em agosto de 1994.

Vi o Oasis pela primeira vez no extinto programa da TV Gazeta, Clip Trip, ao qual assistia sempre para acompanhar os meus artistas favoritos.

Lembro do apresentador falando sobre o Oasis, antes de passar o vídeo de Supersonic, primeiro single do disco. Ele disse mais ou menos assim "esses caras estão fazendo barulho na Inglaterra e se dizem melhores que os Beatles. Sei não, vamos ver se é tudo isso e se o sucesso vai durar".

O comparativo com os Beatles era mais uma das polêmicas que os irmãos Noel e Liam Gallagher criaram e estenderam durante toda a carreira da banda. Na verdade, a influência mais clara e até o modo como se vestiam, remetia à banda de Liverpool. Mas jamais foram cópia dos Beatles, o que muitos odiadores costumam dizer. 

Aceitar isso é o mesmo que reduzir o talento do Oasis, um dos últimos representantes do rock, cingido em todo significado que a palavra expressa. …

Ah, o amado inverno! E homens: comprem ou tirem do armário os casacos e os cachecóis!

O inverno está aí desde o dia 21 de junho, mas deu as caras em São Paulo, de verdade, nas últimas duas semanas, com termômetros marcando a máxima entre 15 e 18 graus. 
São Paulo me agrada, pois o frio aparece nesse tempo, ao contrário de outras cidades do país, onde inexiste inverno, mas aqui é possível apreciar o vento, a temperatura baixa, as comidas e os doces que ficam mais saborosos nessa época, do que em qualquer outra. 
Além disso, podemos ficar mais estilosos. Botas, de cano curto ou longo, casacos de várias cores, cachecóis e echarpes de variadas estampas. 
Mulheres adoram se vestir assim, mas também há homens que abrem o guarda-roupa e ficam ainda mais charmosos com sobretudos e cachecóis. Vou fazer um pedido! Rapazes, não deixem de usar a dupla, casaco e cachecol em contados dias de junho/julho invernal. Eu, pelo menos, aprecio muito! Vocês ficam tão maravilhosos!
Certa vez, numa época dessas, estava com algumas colegas de trabalho saindo para o almoço e um homem super chique e…