Pular para o conteúdo principal
Há cinco anos, um dos melhores shows da minha vida: Radiohead!

No dia 22.03.2009, o Radiohead fazia a sua estreia no Brasil, na extinta e horrorosa Chácara do Jockey. Apesar dos perrengues e da (falta) de estrutura do local, o show foi lindo de ver e ouvir e figura no segundo lugar dos melhores shows que assisti, perdendo apenas para o do meu beatle favorito, o Paul. 

Lindo de ver pela beleza do palco lotado de enormes lâmpadas de LED, que mudavam de cor no decorrer do show, o telão que mostrava a imagem dos cinco integrantes em close e, o mais importante, a execução perfeita das canções apresentadas na voz única de Thom Yorke, entoando, por vezes, falsetes perfeitos.


O show começou com "15 Steps", primeira música do disco "In Rainbows". Depois seguiram com "There There". O público batia palmas no começo da música, no mesmo ritmo das batidas do tambor de Ed O´ Brien. Passado mais da metade da canção, todos pulavam depois que Thom cantava "I´m lonely, I´m lonely", com a explosão de guitarras que ainda fazem parte do som da banda, dando mais impacto à música.

Vontade de voltar àquela noite!

"The National Anthem", foi a terceira música tocada. Antes dela, uma breve intervenção radiofônica que a banda escolheu para ser executada, de acordo com o país em que estava. Senão me engano, escolheram uma rádio de Campinas. Essa interferência apareceria em outros trechos do show.

Ainda viriam "Karma Police", que tirou lágrimas desta pessoa que escreve essas linhas, Pyramid Song, totalmente hipnótica, a sensual "Talk Show Host", "Optmistic", uma das minhas favoritas e melhores de "Kid A", a dobradinha Climbing Up The Walls e Exit Music (For A Film), do provável melhor álbum do grupo, o excelente "Ok Computer". Confesso que "Exit Music (For a Film) foi a responsável por mais algumas lágrimas.

Um dos momentos mais incríveis dentro de um show épico, foi no momento em que eles tocaram "Paranoid Android". A canção que tem quase sete minutos, ganhou vários segundos, ao final, quando o público continuou a cantar o verso "Rain down, come on rain down on me" e a banda não parou, seguindo o coro que se formou, presenteando os fãs com mais acordes.

Outro momento marcante é a execução de "Everything in it´s a Right Place", para coroar o final do show. Só que não. Eles mandariam "Creep", um dos maiores sucessos do Radiohead, mas que é rejeitada pela banda e não entrava num set list há anos. Só viu e ouviu quem sabia dos rumores de que isso poderia acontecer e não duvidou. Nem precisava dela, depois de tudo que já tinham tocado, incluída a íntegra do disco In Rainbows - o da turnê que veio para cá - e o simples fato dessa música não ser esperada, mesmo que muito desejada pelos fãs, ainda mais os brasileiros que nunca tinham visto a banda ao vivo. 

A experiência única, se tornou perfeita, e só sabem disso os fãs do Radiohead que não arredaram o pé depois da que seria a última música do espetáculo. A debandada de parte do público fez com que eu e a minha amiga ficássemos ainda mais perto do palco.


Sei que a vontade de vê-los ao vivo, de novo, aumenta a cada ano ou a cada vez que assisto ao DVD gravado em 1994, no The Astoria, em Londres, ou assisto outros shows deles disponíveis no You Tube. E espero que não demore muito para chegar o dia do meu segundo show do Radiohead, que tornou perfeita uma noite em da minha vida, em termos de música e do amado rock.  

Comentários

  1. ah, nenhuma balada é melhor que ir no show do artista que a gente curte!!!

    ResponderExcluir
  2. Que legal vc comentando aqui, Helô! Shows são uma das coisas mais importantes para mim e muito melhor que baladas!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Londres em 5 músicas

Grandes capitais mundiais recebem homenagens em canções. Nova Iorque foi tema de inúmeras músicas, mas New York, New York, imortalizada na voz de Frank Sinatra, é a canção definitiva da Big Apple, cantada por nova-iorquinos e estrangeiros, inclusive na virada de ano na Times Square.  
Berço de vários artistas - do punk, do progressivo ou do eletrônico, capital mundial do pop - Londres também é homenageada em diversas músicas. Ao contrário de Nova Iorque, talvez, não tenha uma canção que a defina, que seja a mais famosa e que possa ter, ao menos, um verso cantado por qualquer pessoa mundo afora. E muitos artistas lendários do rock e do pop dedicaram um pedaço de suas obras à capital britânica ou, como diz o poeta, cidade que alguém só se cansa, quando está cansado da vida. 
Como relaciono música a vários momentos, coisas e pessoas, fiz uma lista com base em minha imagem sobre a cidade do meu coração ou a lembrança mais significativa que tenho dela ao escutar essas músicas.
The Clash – Lo…

Definitivamente talvez

O título do texto é o nome do álbum de estreia do Oasis, lançado há vinte anos, em agosto de 1994.

Vi o Oasis pela primeira vez no extinto programa da TV Gazeta, Clip Trip, ao qual assistia sempre para acompanhar os meus artistas favoritos.

Lembro do apresentador falando sobre o Oasis, antes de passar o vídeo de Supersonic, primeiro single do disco. Ele disse mais ou menos assim "esses caras estão fazendo barulho na Inglaterra e se dizem melhores que os Beatles. Sei não, vamos ver se é tudo isso e se o sucesso vai durar".

O comparativo com os Beatles era mais uma das polêmicas que os irmãos Noel e Liam Gallagher criaram e estenderam durante toda a carreira da banda. Na verdade, a influência mais clara e até o modo como se vestiam, remetia à banda de Liverpool. Mas jamais foram cópia dos Beatles, o que muitos odiadores costumam dizer. 

Aceitar isso é o mesmo que reduzir o talento do Oasis, um dos últimos representantes do rock, cingido em todo significado que a palavra expressa. …

Ah, o amado inverno! E homens: comprem ou tirem do armário os casacos e os cachecóis!

O inverno está aí desde o dia 21 de junho, mas deu as caras em São Paulo, de verdade, nas últimas duas semanas, com termômetros marcando a máxima entre 15 e 18 graus. 
São Paulo me agrada, pois o frio aparece nesse tempo, ao contrário de outras cidades do país, onde inexiste inverno, mas aqui é possível apreciar o vento, a temperatura baixa, as comidas e os doces que ficam mais saborosos nessa época, do que em qualquer outra. 
Além disso, podemos ficar mais estilosos. Botas, de cano curto ou longo, casacos de várias cores, cachecóis e echarpes de variadas estampas. 
Mulheres adoram se vestir assim, mas também há homens que abrem o guarda-roupa e ficam ainda mais charmosos com sobretudos e cachecóis. Vou fazer um pedido! Rapazes, não deixem de usar a dupla, casaco e cachecol em contados dias de junho/julho invernal. Eu, pelo menos, aprecio muito! Vocês ficam tão maravilhosos!
Certa vez, numa época dessas, estava com algumas colegas de trabalho saindo para o almoço e um homem super chique e…