Pular para o conteúdo principal
Chegando em Londres


Eram quase três horas da tarde do dia 15.05.2013 quando o avião desembarcava em Londres. A cidade não estava nublada e era possível vê-la perfeitamente. A temperatura era de aproximadamente quatorze graus e eu estava apenas com um casaco leve, calça e sapatilhas, porque suporto mais o frio do que o calor que praticamente inexiste em Londres. Essa é definitivamente uma das razões porque eu amo essa cidade!



A passagem pela imigração do aeroporto de Heathrow foi tranquila, com apenas uma pergunta feita pelo agente imigratório. Nos corredores, vários banners anunciavam a final da Liga dos Campeões da Europa, a ser realizada no estádio de Wembley, mais uma vez na capital do país do futebol e louco pelo esporte, mas que não conseguiu classificar um time para o grande dia, que teria como protagonistas os alemães do Borussia Dortmund e Bayern Munique que invadiram a cidade.

O próximo passo era pegar o underground ou tube - tubo em português - apelido dado ao metrô londrino e que faz jus ao seu formato. Dispensei o serviço de transfer contratado em 2012, que me pegaria no aeroporto e me levaria ao hotel, porque já estive na cidade, o que me deixou tranquila para pegar o metrô, além do que a linha que sai diretamente de todos os cinco terminais de Heathrow, Piccadilly, é a mesma onde está a estação de metrô colada ao hotel em que me hospedei, sem a necessidade de fazer baldeação, o que facilita a vida de quem vai utilizar o transporte público, sem contar que é mais barato e rápido.

Entro no vagão e, ao meu lado, está um agente do metrô com o cabelo comprido, todo bagunçado e ensebado. Noto ainda que, no geral, as mulheres saem para trabalhar e passear mesmo com as unhas por fazer, com esmalte descascado das unhas e seguem livremente. O que mais admiro nos ingleses e de quem vive em Londres, é o desprendimento em relação à aparência e à vaidade e, ainda assim, não são alvos de comentários sobre a roupa que estão vestindo, se a cor do cabelo não é convencional ou se estão adequadamente trajados para tal função ou ambiente. Em Londres é cada um na sua, o que é libertador.

A cada estação, o metrô vai sendo ocupado por mais passageiros e fico pensando como irei desembarcar, já que estou no meio do corredor apertado, com uma mala e uma mochila. Depois de cinquenta minutos chego à estação Russel Square e consigo sair do metrô sem muita dificuldade e sou mais uma a caminhar pelas ruas com uma mala de rodinhas no meio de tantos rostos árabes, latinos, africanos, orientais, escandinavos e as inúmeras faces indianas, que devem compor Londres em maior número do que os próprios londrinos.


A maioria das pessoas que está nas ruas caminha num passo acelerado que acredito ser característica das grandes cidades e, como eram quase seis horas da tarde, certamente desejavam voltar para casa rápido ou emendar o trabalho no pub mais próximo para tomar uma pint - medida de 568 mililitros de cerveja servida no copo apropriado - ou para assistir a um jogo de futebol.

Estou novamente em Bloomsbury, bairro em que eu moraria facilmente. É residencial, agradável e tranquilo para caminhar à noite depois de andar o dia inteiro. Por lá costumo jantar, seja em pubs, restaurantes ou cafés. É repleto de praças além da Russel, de estudantes de todo o mundo, por abrigar campus da University College London, o British Museum, a British Library e por ter alma literária - Virgina Woolf morou lá. E por estar próximo à região central, o que facilita a locomoção de moradores e turistas e ainda oferece um comércio rico para quem mora ou está de passagem.


Vista do primeiro banco, do segundo andar do busão, rumo a Trafalgar Square. Só que andou sabe!
Chego ao hotel e o funcionário que me recebe percebe a minha felicidade. Ele deseja uma boa estadia e diz que Londres é fantástica! Não tenho dúvidas! Deixo as malas no meu quarto e mesmo tendo ficado onze horas em um voo, não deixo o cansaço e o sono tomarem conta de mim, pois só quero andar e andar, mesmo que sejam quase seis horas da tarde e que o dia esteja acabando. Ledo engano, porque a noite só daria as caras depois das nove horas! Mais uma grata surpresa londrina no início da minha segunda viagem!


Trafalgar Square
Tâmisa e London Eye
"O" relógio

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Londres em 5 músicas

Grandes capitais mundiais recebem homenagens em canções. Nova Iorque foi tema de inúmeras músicas, mas New York, New York, imortalizada na voz de Frank Sinatra, é a canção definitiva da Big Apple, cantada por nova-iorquinos e estrangeiros, inclusive na virada de ano na Times Square.  
Berço de vários artistas - do punk, do progressivo ou do eletrônico, capital mundial do pop - Londres também é homenageada em diversas músicas. Ao contrário de Nova Iorque, talvez, não tenha uma canção que a defina, que seja a mais famosa e que possa ter, ao menos, um verso cantado por qualquer pessoa mundo afora. E muitos artistas lendários do rock e do pop dedicaram um pedaço de suas obras à capital britânica ou, como diz o poeta, cidade que alguém só se cansa, quando está cansado da vida. 
Como relaciono música a vários momentos, coisas e pessoas, fiz uma lista com base em minha imagem sobre a cidade do meu coração ou a lembrança mais significativa que tenho dela ao escutar essas músicas.
The Clash – Lo…

Definitivamente talvez

O título do texto é o nome do álbum de estreia do Oasis, lançado há vinte anos, em agosto de 1994.

Vi o Oasis pela primeira vez no extinto programa da TV Gazeta, Clip Trip, ao qual assistia sempre para acompanhar os meus artistas favoritos.

Lembro do apresentador falando sobre o Oasis, antes de passar o vídeo de Supersonic, primeiro single do disco. Ele disse mais ou menos assim "esses caras estão fazendo barulho na Inglaterra e se dizem melhores que os Beatles. Sei não, vamos ver se é tudo isso e se o sucesso vai durar".

O comparativo com os Beatles era mais uma das polêmicas que os irmãos Noel e Liam Gallagher criaram e estenderam durante toda a carreira da banda. Na verdade, a influência mais clara e até o modo como se vestiam, remetia à banda de Liverpool. Mas jamais foram cópia dos Beatles, o que muitos odiadores costumam dizer. 

Aceitar isso é o mesmo que reduzir o talento do Oasis, um dos últimos representantes do rock, cingido em todo significado que a palavra expressa. …

Ah, o amado inverno! E homens: comprem ou tirem do armário os casacos e os cachecóis!

O inverno está aí desde o dia 21 de junho, mas deu as caras em São Paulo, de verdade, nas últimas duas semanas, com termômetros marcando a máxima entre 15 e 18 graus. 
São Paulo me agrada, pois o frio aparece nesse tempo, ao contrário de outras cidades do país, onde inexiste inverno, mas aqui é possível apreciar o vento, a temperatura baixa, as comidas e os doces que ficam mais saborosos nessa época, do que em qualquer outra. 
Além disso, podemos ficar mais estilosos. Botas, de cano curto ou longo, casacos de várias cores, cachecóis e echarpes de variadas estampas. 
Mulheres adoram se vestir assim, mas também há homens que abrem o guarda-roupa e ficam ainda mais charmosos com sobretudos e cachecóis. Vou fazer um pedido! Rapazes, não deixem de usar a dupla, casaco e cachecol em contados dias de junho/julho invernal. Eu, pelo menos, aprecio muito! Vocês ficam tão maravilhosos!
Certa vez, numa época dessas, estava com algumas colegas de trabalho saindo para o almoço e um homem super chique e…