Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Março, 2014
O outono e SP mais cinza do que nunca!

O verão mais quente dos últimos setenta anos, foi embora, oficialmente, no dia 20 de março. Na própria quinta-feira ainda sentimos um calor de quase trinta graus em SP, mas nada de matar para padrões paulistanos e, à medida que a noite foi chegando, era possível sentir um vento delicioso e a sensação de que era o último dia do verão, período do ano que não aprecio tanto. 
Na sexta-feira, o outono finalmente deu as caras, mas foi no final de semana que a sensação de frescor e até de friozinho, para alguns, chegou para os paulistanos, com o céu bem cinza, sem sinal de sol há alguns dias. 
Para comemorar a chegada do amado outono, lembrei de músicas que falam da chegada da estação. 
A primeira é a belíssima e uma das melhores músicas brasileiras de todos os tempos, "Águas de Março", composta pelo nosso inesquecível Jobim e eternizada na voz de umas das nossas mais brilhantes cantoras, Elis Regina. A canção fala "das águas de março fechand…
Há cinco anos, um dos melhores shows da minha vida: Radiohead!

No dia 22.03.2009, o Radiohead fazia a sua estreia no Brasil, na extinta e horrorosa Chácara do Jockey. Apesar dos perrengues e da (falta) de estrutura do local, o show foi lindo de ver e ouvir e figura no segundo lugar dos melhores shows que assisti, perdendo apenas para o do meu beatle favorito, o Paul. 

Lindo de ver pela beleza do palco lotado de enormes lâmpadas de LED, que mudavam de cor no decorrer do show, o telão que mostrava a imagem dos cinco integrantes em close e, o mais importante, a execução perfeita das canções apresentadas na voz única de Thom Yorke, entoando, por vezes, falsetes perfeitos.


O show começou com "15 Steps", primeira música do disco "In Rainbows". Depois seguiram com "There There". O público batia palmas no começo da música, no mesmo ritmo das batidas do tambor de Ed O´ Brien. Passado mais da metade da canção, todos pulavam depois que Thom cantava "I´m lonely…
O coração de Londres

Trafalgar Square é passagem obrigatória para visitar marcos londrinos e é repleta de atrações, dentre elas a National Gallery. Poder se deparar com obras de Van Gogh, Monet, Boticelli, Da Vinci, de graça, num espaço que recebe cada visitante com lírios inebriantes na entrada, é umas das maiores riquezas que uma viagem pode nos oferecer.
Como gosto muito de visitar igrejas, seja pela arquitetura, pela história, além de poder agradecer por estar em Londres novamente, a Saint Martin in the Fields é o lugar certo para isso em Trafalgar, onde ainda posso almoçar na cripta muito aconchegante e nada sombria, onde tomaria uma sopa de brócolis apimentada que foi a escolha certeira para o frio. 

Uma das coisas que me chama a atenção é a quantidade de mendigos num estado de letargia nos bancos da igreja. Pessoas encolhidas, com semblantes cansados e jeitos simples que parecem se refugiar na igreja, longe do caos do dia a dia e das coisas boas que o mundo atual parece não lhes o…
Uma tarde na Pinacoteca
A Pinacoteca do Estado é um dos meus lugares preferidos em São Paulo. A arquitetura do prédio é um convite para entrar. Lá estando, é possível apreciar o acervo de longa duração "Arte no Brasil" sobre o período modernista. Pinturas de Almeida Júnior, Oscar Pereira da Silva, Pedro Alexandrino, Lasar Segall e Cândido Portinari podem ser apreciadas no museu. O quadro "O Mestiço de Portinari está entre as obras mais vistas do artista e, com certeza, é um dos melhores retratos do homem brasileiro.



Todas as obras ficarão em cartaz até dezembro de 2015 e mostram o retrato do Brasil do campo, da época do descobrimento, do início da urbanização de cidades e a desigualdade brasileira.
O espaço também é destinado à escultura. Obras de Auguste Rodin podem ser vistas na Pinacoteca, como o "Gênio do Repouso Eterno" e "O Torso", adquiridas pelo museu em 1997.


Outros destaques são as esculturas "Via Crucis", de Victor Brecheret, e "…
Chegando em Londres


Eram quase três horas da tarde do dia 15.05.2013 quando o avião desembarcava em Londres. A cidade não estava nublada e era possível vê-la perfeitamente. A temperatura era de aproximadamente quatorze graus e eu estava apenas com um casaco leve, calça e sapatilhas, porque suporto mais o frio do que o calor que praticamente inexiste em Londres. Essa é definitivamente uma das razões porque eu amo essa cidade!


A passagem pela imigração do aeroporto de Heathrow foi tranquila, com apenas uma pergunta feita pelo agente imigratório. Nos corredores, váriosbannersanunciavam a final da Liga dos Campeões da Europa, a ser realizada no estádio de Wembley, mais uma vez na capital do país do futebol e louco pelo esporte, mas que não conseguiu classificar um time para o grande dia, que teria como protagonistas os alemães do Borussia Dortmund eBayernMunique que invadiram a cidade.
O próximo passo era pegar o underground outube- tubo em português - apelido dado ao metrô londrino e que fa…
A minha Londres

Desde a adolescência, pensava em conhecer Londres. Queria fazer a faculdade de Jornalismo e depois partir para capital britânica para estudar inglês.
Quero conhecer o mundo e sempre viajei muito dentro do Brasil, graças ao meu pai, que nos levou a conhecer grande parte do país e dar gosto para irmos além. Acabei cursando Direito e não Jornalismo. Sei lá porque não segui para Londres mesmo assim. Decidi, então, que a cidade seria a minha primeira experiência no exterior. Essa paixão por Londres é tanto pelo fato de ser uma cidade multicultural, cosmopolita, um dos maiores e mais populosos centros urbanos mundiais, como também, a capital do país que gerou grandes nomes do rock e é considerada a capital mundial da música pop. Importa destacar que não só a capital inglesa, mas o país e o Reino Unido me encantam pela música que fizeram e ainda fazem.

Sim, eu amo música e associo as coisas que gosto aos lugares de onde elas vêm. Pode parecer estranho, mas tenho essa mania. Sinc…