domingo, 19 de janeiro de 2014

Revendo Kubrick! 

A exposição sobre Stanley Kubrick entrou em cartaz no MIS (Museu da Imagem e do Som) de São Paulo em outubro de 2013 e terminou no dia 12 de janeiro desse ano. 

Admiro o trabalho do diretor novaiorquino e Laranja Mecânica é um dos meus filmes favoritos. Fiquei ansiosa para entrar no universo de Kubrick a cada matéria que lia sobre a exposição. O trabalho realizado pelo museu em parceria com a Mostra Internacional de Cinema é riquíssimo e nos permite "fazer parte" dos cenários criados pelo diretor. Fui com meu pai conferir a exposição e saímos com a sensação de termos assistido a mais uma obra impactante de Kubrick.

Cada filme ocupa uma sala que termina na entrada para outra seção. A temática de cada espaço é composta de objetos originais dos filmes, além de cadernos de anotações do diretor contendo diálogos e desenhos de cenários, inúmeras fotos que captam o dirigir de Kubrick, em cenas de estúdio e externas, além de conversas com os atores e equipe. 

Uma das salas mais concorridas é a de "O Iluminado", um dos melhores e mais aterrorizantes filmes de terror de todos os tempos. Criaram os corredores do hotel Overlook, onde se passa o filme. Inúmeras portas que devem permanecer fechadas - seguindo a orientação dos monitores do museu - para que cada visitante se depare com o que há dentro dela. Ao abrir cada porta, encontramos os vestidos azuis e os sapatos pretos usados pelas meninas que assombram o hotel, a blusa de lã vestida pelo garoto Danny e o machado usado por Jack Nicholson numa das cenas mais emblemáticas da história do cinema.  

Há portas com o aviso "don´t disturb" que remete automaticamente a cena em que o cozinheiro do hotel orienta Danny a não entrar no quarto 237. O passeio pelos corredores do hotel é embalado pela trilha sonora do filme, causando certa apreensão como se estivéssemos assistindo à cenas do longa e aguardando pelos próximos acontecimentos dentro do hotel, com cada toque da música a guiar os passos dos habitantes do Overlook e da câmera de Kubrick. 

Outra experiência em que a trilha sonora nos transporta para o cenário do filme e causa o mesmo suspense quando o assistimos, ocorre no espaço dedicado a "De olhos bem fechados", último filme da carreira do diretor, estrelado por Tom Cruise e Nicole Kidman, quando ainda formavam um casal. A sala é composta de espelhos e máscaras venezianas, com pouca luz, criando um ambiente sensual, misterioso e chique. 

Como amante da música que sou, a trilha sonora cria momentos inesquecíveis para um filme e Kubrick foi um dos diretores que mais soube utilizar a canção perfeita para toda cena criada. É impossível passar pelas salas da mostra e não dedicar a mesma atenção à música tocada e aos itens exibidos que fizeram parte dos cenários de seus filmes.

O macacão branco e o chapéu preto de Alex Delarge, personagem de Malcon McDowell em Laranja Mecânica, podem ser observados com a mesma atenção dada à música clássica tocada no filme e na exposição, pontuando as ações dos "drugues", alcunha da gangue de Alex. 

Assim como os elementos de cena de 2001, Uma Odisseia no Espaço, onde está o Oscar de Melhores Efeitos Visuais recebido pelo diretor, são observados ao som da trilha impactante desse clássico do cinema. O mesmo acontece com Lolita, Spartacus, Glória Feita de Sangue.


Depois da viagem pelo universo de um gênio da história da sétima arte, com um gosto musical sedutor, assisti "O Iluminado" e pretendo rever os outros filmes de Kubrick. Essa prática é a mesma que adoto depois de assistir a um show, quando parto para a audição da discografia do artista. Afinal, bons filmes e boa música devem ser vistos, revistos e ouvidos frequentemente.

Fotos: arquivo pessoal






Nenhum comentário:

Postar um comentário