sábado, 25 de janeiro de 2014

A beleza de São Paulo.

São Paulo fará 460 anos hoje, 25 de janeiro e recentemente foi escolhida uma das cidades mais feias do mundo, ocupando o nono lugar da pesquisa feita pelo guia de viagens norte-americano "U City Guides", sobre as cidades de grande concentração urbana e pouco ou nenhuma beleza natural. Los Angeles, Detroit e Houston nos Estados Unidos, Caracas na vizinha Venezuela e Cidade do México, a capital mexicana, também estão na lista. Curioso que nem a praia salvou L.A dessa e sobre São Paulo a matéria diz que "toda beleza natural foi para a vizinha carioca". Minha mãe ficou revoltada com a eleição.

Prédios e Masp

São Paulo realmente não é bonita. Há lugares considerados bonitos, mas a natureza não foi generosa com a capital gastronômica e cultural do Brasil. Apesar de não ser um conjunto de beleza, considero belíssimos alguns prédios e lugares da cidade: Ibirapuera ou “Ibira” para paulistanos como eu, a Catedral da Sé e a Paulista. Além de locais que não precisam ser bonitos, mas que oferecem baladas e bares incríveis como a Augusta.

O coração financeiro e moderno presente na avenida mais famosa e mais bonita da cidade é o meu lugar favorito. É a única avenida em que ando a pé, por metros e metros. Um passeio nela só vale desse jeito, aliás. De carro é chato!  O vai e vem dos engravatados, dos cachorros, dos alternativos, dos artistas de rua e passar em frente ao prédio da Gazeta, onde fica a Cásper, pela FNAC, MASP, Livraria Cultura, prédio da FIESP que, à noite, ilumina a avenida com jogo de luzes e temas dependendo do momento da cidade, parque Trianon-Masp, grafite nos seus muros, Casa das Rosas, Bella Paulista, que não é bem na Paulista, os bares e as travessas que chegam a ela e me encantam. Sinto-me viva quando caminho naquele asfalto. Pode parecer estranho ler isso, até para quem mora nessa selva. O que dirá então quem não vive aqui e ainda tem a sorte de contemplar beleza natural por todos os lados?

Paulista
Grafite
O meu primeiro emprego foi no número 688 da Paulista. Lembro-me de ter a vontade de encontrar um emprego para ter o meu próprio dinheiro, relação de trabalho, conhecer pessoas e todas essas coisas que falam que precisamos ter na vida, quando querem nos convencer de que temos de trabalhar, porque dignifica e enobrece o homem e blá, blá, blá, mas eu desejava que o emprego fosse na Paulista. Era como se eu pudesse ficar mais feliz! E deu certo! É o único lugar em que tenho o maior prazer em trabalhar de novo, já que é importante considerar a distância entre casa, trabalho e cursos depois do horário de expediente numa cidade do tamanho de São Paulo.

A Catedral da Sé é a construção mais linda na minha opinião. Entro na igreja sempre que passo pela região e adoro admirar a arquitetura interna e externa, formada por colunas em estilo gótico, bem no centro da cidade, onde está o marco zero. A cúpula em tom verde da catedral embeleza a capital, sendo um refúgio de paz e oração em meio a tanto esquecimento e descaso como é a região da Sé.

Fachada da Catedral da Sé

Destaque para a cúpula da catedral

Arcos da igreja

Interior da Catedral da Sé

O Ibira é o parque mais bonito! Fato! Mais “Ibiras” tornariam São Paulo mais atraente. Não tenho dúvidas de que a ausência de verde numa cidade desse tamanho é o que a torna menos convidativa, pois faltam espaços púbicos para correr, fazer piquenique andar de bicicleta ou caminhar em ambiente seguro e tranquilo. Mais verde na megalópole seria perfeito, tanto que a pesquisa citada no início elegeu as cidades que têm poucas áreas com parques e praças, tomadas em quase sua totalidade por prédios residenciais e comerciais. 

Ibira

Vista do Monumento às Bandeiras

As flores do Ibira

Praça da Paz - Ibirapuera
Um dos lagos do Ibira


Não menos belo que o Ibira, o Parque da Independência é outra área verde, que já abrigou shows como o do Franz Ferdinand, onde está localizado o Monumento à Independência e o Museu do Ipiranga, um acervo sobre a história do Brasil e uma construção imponente no alto do parque. O museu foi fechado há poucos meses para reforma, sem data para reabertura. O que seria um passeio completo de parque + museu ficará suspenso, sobrando apenas o passeio pelo primeiro, até que as autoridades façam a manutenção do prédio e cuidem melhor do que faz parte da história de São Paulo, como do Brasil.

Monumento à Independência

Museu do Ipiranga

Parque da Independência
E a minha cidade natal seria menos querida sem a Galeria do Rock. Como amante do gênero musical, um passeio pela Galeria é como se eu estivesse num parque de diversões visitando as lojas cada vez mais cheias de vinis e tudo relacionado ao rock, onde não se encontra em outro canto da cidade. Um passeio ideal para um sábado é saborear o bauru do Ponto Chic e andar poucos metros em direção à galeria e ficar lá por horas.

Galeria do Rock
Uma caminhada pelo centro velho nos permite andar por ruas de tráfego de pessoas apenas, como a Direita, até chegar ao prédio do Banespa, Teatro Municipal ou Mosteiro de São Bento. Um pouco mais adiante, no sentido da Zona Norte, encontramos a estação da Luz e a Pinacoteca, que são símbolos de história e cultura bem no começo do corredor norte e sul da capital. 

Lugares como esses, deixam a minha São Paulo mais bonita, mesmo que o conjunto arquitetônico seja bagunçado e pouco atraente e em grande parte do dia ela seja mais cinza do que azul, o que não me abala.

Quais são ou seriam os lugares mais bonitos da cidade e o que poderia ser feito para que São Paulo ficasse mais bela e agradável para os moradores e, também, aos que estão de passagem?

FOTOS: arquivo pessoal

Nenhum comentário:

Postar um comentário